Iniciativas

Valores e Visão de Mundo da Cultura Chinesa - Horizonte da Globalização (Palestras de Mestres de Cultura)


=Introdução às Palestras de Mestres de Cultura=

De modo a enriquecer a vida cultural da população e a ampliar os seus horizontes culturais, o Instituto Cultural do Governo da R.A.E. de Macau convida celebridades das áreas da literatura, da cultura e das artes para dialogar com o público ou proferir palestras.

Com esta iniciativa, o Instituto Cultural visa oferecer oportunidades aos cidadãos de Macau, para que possam aprender com as opiniões desses grandes mestres, e também para que tenham uma visão mais aprofundada da cultura e artes actuais.

Esperamos que, por meio do intercâmbio de experiências e da partilha de conhecimentos, possamos fomentar um maior pluralismo intelectual, assim como uma perspectiva mais internacional dos temas abordados, desta forma enriquecendo a cultura local e promovendo o seu desenvolvimento com renovados vigor e criatividade.

=Prof. Chen Lai=

Chen Lai, vice-director da Comissão Académica da Universidade Tsing Hua e professor catedrático em Letras e Ciências Humanas. Actualmente é o presidente do Instituto de Estudo de Guoxue da Universidade Tsing Hua, professor catedrático de Filosofia da Universidade Tsing Hua, académico conceituado em História da Filosofia, filósofo e pensador contemporâneo influente.

Sendo discípulo de dois mestres de Guoxue, Dr. Zhang Dainian e Dr. Feng Youlan, o Prof. Chen foi o primeiro doutorado em Filosofia após a fundação da República Popular da China. Estuda a história da filosofia chinesa, especificamente confucionismo, o neo-confucionismo e o confucionismo contemporâneo. Os resultados dos seus estudos lideram neste âmbito de investigação a nível mundial. Com base no estudo da história da filosofia, o seu sistema próprio de filosofia foi criado: ontologia da humanidade. Os seus pensamentos confucionistas caracterizam-se pela “Valorização do Confucionismo”, que dá importância à herança e à inovação do confucionismo no mundo moderno. O Prof. Chen é a figura representante do confucionismo contemporâneo. 

Tendo publicado diversas monografias, o Prof. Chen foi galardoado com um bom número de prémios. Em 2009, a editora Joint Publishing compilou as principais monografias publicadas pelo Prof. Chen e publicou a “Compilação de Monografias Académicas do Prof. Chen Lai”, que contém 12 livros.  Recentemente, foram publicados pelo Prof. Chen livros como “Confúcio e o Mundo Moderno”, “Ontologia da Humanidade”, “Desde o Mundo dos Pensamentos ao Mundo de História”, entre outros. Várias das suas obras foram traduzidas para inglês, russo, japonês, coreano, etc.

Em 2012, o Prof. Chen foi contratado como académico do Instituto Central de Investigação da Cultura e da História. Em 2013, participou no 23.º Congresso Mundial de Filosofia em Atenas, Grécia, onde, sendo orador convidado, proferiu um discurso intitulado “Sabedoria do Confucionismo na Prática”, o que nunca tinha tido precedentes. Em 2016, foi eleito “Mestre do Confucionismo”, título esse que apenas foi dado a dois académicos, no âmbito mundial. Em 2014 e 2016, ganhou duas vezes o Prémio por Resultados da Guoxue, na Cerimónia da Guoxue dos Chineses do Mundo. Em 2017, foi-lhe conferido o Prémio Académico de Filosofia e Estética de Zhang Shiying, que é a maior honra do circuito de estudos filosóficos. Em 2018, ganhou o Prémio da Cultura Huilin da Academia de Comunicação Internacional da Cultura Chinesa.

 

=Apresentação da Conferência=

Apesar de a globalização ter estreitado o relacionamento mundial nos domínios da economia, tecnologia, mercados, finanças, comércio, etc., o ser humano não vive num mundo melhor. A globalização não diminuiu o fosso entre o norte e o sul, e têm surgido aos países em desenvolvimento não apenas oportunidades, mas também perdas, neste processo de globalização. Urge estabelecer comunidades globais ou regionais, embora as dificuldades não sejam poucas. A crise financeira dos EUA mostrou os problemas intrínsecos do capitalismo, que estão a ser amplificados ainda pela crise da dívida pública europeia. O nacionalismo poderoso que domina os EUA abalou significativamente a economia mundial e a ordem internacional. Acreditamos que não é possível solucionar as questões acima referidas com os valores modernos ocidentais – liberdade, democracia, direito, mercado e individualismo. Em vez disso, devíamos ser abertos a outras hipóteses, incluindo à descoberta dos valores subjacentes à civilização chinesa, que se associam à conectividade, interactividade, ética e rituais confucionistas, a fim de melhorar o mundo que fica aquém das expectativas. Os valores básicos da civilização chinesa, formados na Era Axial, tornaram-se nos valores basilares que orientaram o desenvolvimento da civilização da Ásia Oriental. Passados dois mil anos após a Era Axial, a civilização chinesa formou definitivamente os seus próprios valores, nomeadamente: a responsabilidade tem prioridade sobre o direito; a obrigação tem primazia sobre a liberdade; a comunidade é mais importante que o indivíduo; a harmonia sobrepõe-se ao conflito. O princípio da humanidade, o espírito dos rituais confucionistas, o senso de responsabilidade e a prioridade dada à colectividade são valores opostos ao individualismo e à satisfação de desejos. O que necessitamos é de uma comunidade que funcione em simbiose, uma cultura dos rituais confucionistas, uma política colaborativa e um mundo governado pela virtude. Uma comunidade simbiótica destaca o significado da colectividade, o que é oposto ao individualismo; a cultura dos rituais confucionistas salienta o senso moral, que se diferencia do legalismo; a política colaborativa implica diálogos políticos que visam a cooperação em vez dos conflitos; por fim, um mundo governado pela virtude apresenta uma ordem contrária àquela que comanda o imperialismo. Os quatro valores têm como foco a humanidade, associada à conexão e à harmonia. Este princípio cultural, diferente dos que dominam o universo ocidental, não apenas se aplica às sociedades onde está enraizada a cultura chinesa, mas também complementa, hoje em dia, os valores modernos ocidentais.

 

=Informações=

Tema: Valores e Visão de Mundo da Cultura Chinesa - Horizonte da Globalização

Palestrante: Prof. Chen Lai (Historiador da Filosofia renomeado, Director da Academia de Estudos Chineses da Universidade de Tsinghua e Investigador do Instituto Central de Estudos Cultural e Histórico)

Data: 04 de Novembro de 2018, das 15h às 17h

Local: Auditório do Instituto Politécnico de Macau (IPM)

Para mais informações:  83996699

Inscrição Online : www.icm.gov.mo/eform/event/p/3/

*A palestra será conduzida em mandarim com tradução simultânea disponível em português.

*Entrada Livre. Número de lugares limitado. Inscreva-se já!

 

 


© Instituto Cultural, Reservados todos os direitos.
Endereço: Avenida do Conselheiro Ferreira de Almeida, No. 95 C-D, Macau
Tel:(853) 2852 2523 Fax:(853) 2852 2536 Email:ajti@icm.gov.mo

Este site foi optimizado para visualização a 1024 x 768, nas versões Internet Explorer 7 、 Adobe Acrobat Reader 9